Qual é o melhor instrumento para o Pré- diagnóstico?

17 de abril de 2018

Inicialmente, o que se pretende, ao se desenvolver este indispensável instrumento de elucidação é interpretar com a maior precisão possível, o motivo da contratação – o expresso e o verdadeiro, o real, nem sempre iguais –, antes da elaboração da proposta.

Essa dicotomia nem sempre é para ocultar algo, mas por desconhecimento do cliente sobre qual é o seu real problema.

Um outro aspecto a ser considerado é o de, além de nos concentrarmos na solução do real problema, imediato – causa e razão primeira da Consultoria –, abordarmos, também, as metas, os objetivos de vida e as razões mais particulares de quem nos contratou, isso  nas empresas individuais, de profissionais e de família, quando o Curto e o Longo Prazo desejados, nem sempre se combinam e se  repetem, no mais das vezes,  até antagônicos.

Você que conhece os mais adotados instrumentos da década, do ano. Qual o melhor?

Dependerá da situação em que se insira o problema e, até, a  própria contratação.

Se só o cliente-contratante “conhecer o real problema”, você poderá propor  workshop com executivos da empresa ou  adotar o Diagnóstico em Árvore. Poderá ser, igualmente ilustrativo, combinar SWOT, Campo de Forças, BSC, Canvas, EAP e tantas outras ferramentas que possam subsidiar o objetivo de sua investigação.

Luiz Affonso Romano é consultor organizacional, coach para desenvolvimento em consultoria e professor dos Cursos de Desenvolvimento de Consultores- presenciais e online.

Link para adquirir a Pesquisa 2017 :

https://pages.hotmart.com/x7727168h/pesquisa-perfil-das-empresas-de-consultoria-no-brasil-2017/

Pesquisa Perfil das Empresas de Consultoria 2017 - 1080x1080 - Laboratorio da Consultoria 2017

Share Button

2 Comments

  1. Cristiane Cupello · 22 de abril de 2018 Reply

    Entender o contexto organizacional, bem como os objetivos estratégicos (e uma ferramenta bacana para se chegar até eles é a análise SWOT) é fundamental para ser assertivo no diagnóstico. Por isso, definir os instrumentos (ou ferramentas) mais adequados (visto que existem inúmeras possibilidades!) a serem utilizados no pré-diagnóstico é fundamental. Parabéns, Romano… Pelo artigo e especialmente por uma grande referência, nesse sentido!
    Abraços,
    Cristiane Cupello
    Consultor de Planejamento Estratégico & Gerenciamento de Projetos

  2. Cecília Montes · 19 de abril de 2018 Reply

    Essa etapa de pré diagnóstico é na minha opinião o momento que exige mais da cognição do consultor pois ele precisa ter a habilidade de ler as entrelinhas e a sensibilidade de identificar o que não foi dito.
    Cecília Montes
    Consultora

Leave a reply