Códigos de Ética para quê se não cumprem?

30 de novembro de 2016

Por que as empresas envolvidas nos acontecimentos recentes possuem códigos de Ética (CE) e não cumprem?

Por descaso dos acionistas, dos conselhos, da alta gerência, e até mesmo de funcionários?

Porque os CEs baixados de cima para baixo, sem consulta aos envolvidos, dormem nas gavetas da diretoria, nem mesmo aparecem nos sites, impressos, desconhecidos da maioria, que, confortavelmente, convive com a constituição de reservas de mercado, a formação de carteis, a distribuição de obras, os pagamentos de “oxigênios” e de vultosas propinas. Mas ninguém sabia.

E agora pelejam para serem chamadas a novas encomendas, não perderem a competência técnica, não darem espaço a concorrentes de fora. Para tal, antes devem implantar cultura ética, estruturada, por meio de debates periódicos com seus dirigentes e empregados, evidenciando a todos mudança consistente e ininterrupta, a fim de preservar e otimizar o seu valor e a geração de empregos.

Luiz Affonso Romano

Presidente da ABCO

Informativo ABCO 25, novembro 2016

www.abco.org.br

Share Button

1 Comment

  1. Carlos R. Velloso · 7 de dezembro de 2016 Reply

    Parabéns, Romano !!

    Você focou no ponto nevrálgico, crucial das organizações!

    Um Código de Ética deve refletir os valores morais e éticos de uma organização e deve ser construído com a participação da sua ‘comunidade de colaboradores’ para que, desde o início, ocorra uma aderência ao processo de valorização da Ética na organização.

    E, após a sua aprovação pela Alta Administração, deve ser objeto de frequentes discussões e avaliações entre o corpo gerencial e suas equipes, com a colaboração de Consultores experientes e habilitados, para que todos possam, efetivamente, absorver os Valores da organização e defendê-los de forma natural, preservando a continuidade das suas operações como se faz com a própria vida.

    Carlos R. Velloso- Consultor Sócio-Diretor da CRV CorpGovernance Consultoria em Governança e Gestão e Diretor da ABCO Associação Brasileira de Consultores. Conselheiro de Administração e Conselheiro Fiscal Certificado pelo IBGC.

Leave a reply