Código de Ética no Esporte- CBV

11 de outubro de 2013

Os Fundamentos Éticos e as Normas de Conduta foram elaborados pelos Consultores Luiz Affonso Romano e Paulo Jacobsen. Já os capítulos concernentes ao Conselho e à Aplicabilidade pelos advogados Renata Araújo Lopes Blauth e Thiago Esteves Grigorovski da CBV. A Revisão foi de Hiram Câmara (2012/13).

CBV_COD_ETICA_

Código de Ética do Voleibol Brasileiro 17-07-15

 

Share Button

3 Comments

  1. Luiz Affonso Romano · 11 de abril de 2015 Reply

    No entanto, falta vontade de retirá-los das gavetas da diretoria, a fim deles mesmos lerem e se comportarem de forma ética e propagarem- muitos não desconhecem a existência- e debaterem com o pessoal, os funcionários, o que pode ser aprimorado. Nas empresas, nos governos, no esporte ,na educação, na saúde…
    Com o fim da censura, conhecemos os mal feitos. Isto é muito bom.
    Agora floresce, neste ainda novo país- novo no contexto geral das nações-,vontade de muitos escolherem a empresa que desejam ingressar, saírem tão logo percebam o envolvimento com subornos, adquirirem somente produtos, contratarem serviços e estudarem em organizações éticas… Que assim seja!
    Luiz Affonso Romano

  2. Luiz Affonso Romano · 2 de abril de 2015 Reply

    Mea culpa, preconceito e a multidão 2.0

    As recorrentes manifestações de preconceito das grandes torcidas aqui e acolá nos surpreendem negativamente. Nos primeiros casos registrados de preconceito da multidão 2.0 – que chamaremos de ‘sentimento discriminatório transformado’ – tais manifestações eram vistas em campos de futebol na Europa, cujos gramados testemunhavam o uso da agressão moral como um último recurso contra o talento. Contra os dribles desconcertantes, bananas e outras evidências para colocar cada um no seu devido lugar.

    Prática que parecia encerrada a certas correntes de opinião distantes, agora se espraia para o futebol e outros esportes dentro do Brasil. Chegou a vez do vôlei com o episódio da homofobia na partida Cruzeiro x Vôlei Futuro. Fazemos um mea culpa e admitimos: organizadores do código de ética da Confederação Brasileira de Voleibol, em 2001, deixamos de contemplar esta possibilidade, agora renascida na 1ª partida da semifinal, em Minas Gerais.

    Deixamos de fora a homofobia, não porque fosse menos importante há dez anos, mas porque havia um movimento de aceitação à diversidade, ao exercício de novos comportamentos e a premissa de que o vôlei atraía um público menos propenso a atos de discriminação. Esse pressuposto era amparado pelo público que frequentava os estádios. Os que assumiam ser homofóbicos davam asas à agressividade em espaços restritos e fechados. Não tinham coragem de fazê-lo aberta e publicamente. Como também escondidos estavam os intolerantes religiosos…

    Os importantes e urgentes temas eram as possibilidades de corrupção, negociação de passes, jogo desleal, uso de estimulantes químicos, racismo, violência, má imagem pública de atleta, árbitros, dirigentes e instituições ligadas a outros esportes no país e no exterior.

    Inclusive, tínhamos uma visão de que a forma de se conceituar ‘multidão’ era algo ultrapassado. Fazia mais sentido falar de ‘público’. Um refinamento da visão de que a massa é irracional e perigosa quando seus integrantes estão anônimos, passando para o pólo positivo da reunião em grande escala de diferentes indivíduos capazes de compartilhar o espaço público (no caso, os estádios) imbuídos dos valores do convívio e da tolerância.

    Uma saída possível para explicar a reação homofóbica da multidão seria o desejo da arquibancada em tentar desequilibrar o atleta adversário. Um recurso desleal, que não combina com o espírito esportivo.

    Naquela época, o código de ética se prestava a revelar de forma explícita e formal aquilo que se via nas arquibancadas, em dias de jogos de vôlei, de forma implícita e informal: alegria, amor ao esporte, espírito de competição, alternativa profissional, impacto do esporte nas comunidades, igualdade, lealdade, responsabilidade e transparência.

    Parece, no entanto, que precisamos atualizar não somente o código de ética da CBV- tal e qual outros códigos que já foram adaptados às novas opções, novos valores e novos tempos-, mas também nossas crenças sobre a multidão, que reaparece na sua versão 2.0 com valores transformados de tolerância e competição. E agora com poder de voz ainda maior com a emergência da comunicação todos- todos.

    Profs e consultores Luiz Affonso Romano, José Maria Noronha e Anderson Ortiz- 2011 (equipe que elaborou o Código de Ética da CBV, em 2001).

  3. Luiz Affonso Romano · 11 de agosto de 2014 Reply

    Hoje, no esporte, tal e qual nas empresas, não há longo prazo, as mudanças de cidade, estado e de países, são bruscas e repentinas, os laços são frouxos, as relações humanas não duram. Sem regras de conduta, a convivência tende a tornar-se intolerável, rara e ligeira entre os envolvidos.
    Luiz Affonso Romano
    Consultor

Leave a reply